QUAIS SÃO AS EXPECTATIVAS IRREALISTAS MAIS COMUNS EM UM RELACIONAMENTO?

0
274

Quando estamos em um relacionamento, frequentemente nutrimos uma lista sem fim de expectativas em relação à outra parte. Estas construções são uma parte natural da vida humana, mas existe uma grande diferença entre Desejos Compartilhados e Expectativas Irrealistas. Algumas vezes, pelo fato de o relacionamento envolver duas pessoas diferentes com diferentes personalidades, ocorre um desequilíbrio nessas forças, resultando em conflitos e ressentimentos que podem colocar um ponto final no vínculo afetivo.

Expectativas Irrealistas são o calcanhar de Aquiles mais comum em praticamente todos os relacionamentos e, se não forem abordadas cedo e do modo correto, apenas tornarão as coisas piores a cada dia. Algumas dessas Expectativas podem ser negociadas com um pouco de comunicação, aprendizado e disposição – desde que você saiba reconhecê-las com propriedade.

Vamos a uma lista das 10 Expectativas Irrealistas mais comuns:

  1. LER A SUA MENTE. É fácil esperar que sua parceira (ou parceiro) seja capaz de antecipar todos os seus desejos e vontades, especialmente quando vocês acham que se conhecem tão bem… Mas não existem telepatas neste mundo. Se você gostaria de receber um determinado presente, ou lembrança no dia dos namorados, ou certo tipo de atenção ou carinho, ou palavras específicas de apoio e afeto, o melhor a fazer é comunicar isto clara e diretamente ao invés de esperar que o outro (ou outra) adivinhe o que passa pela sua cabeça como em um passe de mágica.
  1. ESTAR SEMPRE SEXY. Você está namorando um ser humano, não uma escultura. Você pode gostar mais de vê-la em uma determinada roupa, mas deve aceitar que ela tem preferências e alternâncias de humor, cabelo, pele e peso. Amar alguém vai além de apreciar um estilo ou moda.
  1. SER A DONA (OU O DONO) DE CASA. Sua parceira (ou parceiro) é seu par, não sua empregada ou empregado. Não é dever dela ou dele cuidar sozinho das tarefas da casa, independente de algum de vocês trabalha fora em tempo integral e o outro não. Ajude sempre que possível e defina com antecedência quais tarefas serão de quem – desde que esta divisão apresente um equilíbrio decente do esforço envolvido.
  1. NUNCA FAZER UMA BESTEIRA. Sim, seu par comete erros, irrita, toma decisões ruins, estraga seus planos e eventualmente diz o que não devia. Esperar o contrário disto é estabelecer um padrão de perfeição impossível de ser alcançado. Aceite o fato de que você faz as mesmas coisas. O segredo é trabalhar estes atritos ao invés de continuar vivendo no fantástico mundo de Bob onde ela (ou ele) jamais, nunca, em hipótese algum, irá pisar no seu calo um dia.
  1. TER UMA VIDA EM COMUM. É bem legal que você e seu par compartilhem objetivos e ambições, mas lembre-se que duas pessoas devem ter duas identidades. Vez ou outra alguém terá que ceder um pouco para permitir que a contraparte alcance algumas metas – e, na rodada seguinte, os papeis se invertem. Planejar uma vida em comum não implica na anulação do outro.
  1. CARREGAR VOCÊ NAS COSTAS. Cada um tem direitos e deveres próprios em um relacionamento. Se você apenas cobra seus direitos, mas não oferece qualquer benefício, não assume qualquer encargo ou caprichosamente renuncia às suas atribuições, então você não está em busca de um relacionamento: você quer, na verdade, uma mula de transporte.
  1. CONCORDAR O TEMPO TODO. Se está procurando alguém que jamais irá rebater ou entrar em atrito com suas ideias, namore um vertebrado gasoso ou um(a) mentiroso(a) compulsivo(a).
  1. QUERER AS MESMAS COISAS DE SEMPRE. Você começa a namorar alguém e, de repente, 10 anos se passaram e rola aquela conversa fatídica: “ah, você já não é a mesma…” (ou o mesmo). Algumas vezes ela ainda é a mesma, e quem mudou foi você. Ou quem mudou foi ela. Ou ambos. Os anos passam, as pessoas se transformam e suas prioridades também. Se não estiver pronto para isso, você não está em um relacionamento: está em um bote navegando direto para uma catarata chamada Despontamento. Amadureça e comece a remar – ou vá para a margem e retome suas aulas no jardim de infância.
  1. ESTAR PERMANENTEMENTE DISPONÍVEL PARA O SEXO. Por mais prazeroso que seja, o sexo é uma função do corpo. Você tem sede, mas não tem sede o tempo todo. Tem sono, mas não dorme a qualquer hora. Tem fome, mas não tem disposição para comer 1 kg de churrasco de picanha com gordura quando acorda pela manhã. Nem seus intestinos funcionam o tempo inteiro. Não espere que ela (ou ele) esteja de prontidão 24h por dia, 7 dias na semana, para ofertar sexo só porque aquela vontade maluca baixou na sua cabeça 5 minutos depois de chegar em casa.
  1. LUTAR COMO VOCÊ LUTA. Algumas pessoas enfrentam as vicissitudes da vida no exato momento em que elas surgem. Outras precisam cozinhar o galo, precisam de tempo e espaço para pensar, para esfriar a cabeça e escolher o que fazer. Você está no primeiro time? Ótimo, meus parabéns, mas isso não significa que seu par tem a obrigatoriedade de estar também. Da mesma forma, você não tem o dever de esperar uma eternidade até que o outro se decida: se os reflexos lentos e a indecisão lhe incomodam, converse abertamente a respeito disso. Se não sabe como, retorne ao item 1.

 

Deixe uma resposta