TESTOSTERONA: SÉRIE ESPECIAL – PARTE 4 – COMO AUMENTAR NATURALMENTE A PRODUÇÃO?

0
241

 

Pode ser que você não tenha acesso ou indicação para reposição hormonal, ou que esteja com receio de utilizar a TRT. Isso não significa que não há coisa alguma que você possa fazer. Existem vários recursos não-medicamentosos capazes de elevar sua produção de testosterona!

Preparamos uma lista com várias dicas cientificamente embasadas. O recomendável é que você pratique pelo menos 3 delas, diariamente, por 30 dias no mínimo. Escolha à vontade:

DIMINUA A GORDURA DO SEU CORPO. Como mencionado na segunda parte desta série, perder peso aumenta seus níveis de testosterona. Simples assim.

AUMENTE A GORDURA NA SUA DIETA. Isso mesmo: coloque uma gordurinha no prato.Pelo menos 30% do total de calorias que você ingere ao longo do dia devem ser na forma de gorduras, de preferência monossaturadas (p.ex.: sementes, peixe, azeitona, azeite de oliva e abacate). Contudo, desde que você obedeça ao limite dos 30%, gorduras saturadas também estão valendo. Coma sua picanha sem culpa.

COMA PROTEÍNA. E por falar naquela picanha: está mais que comprovado que dietas vegetarianas diminuem os níveis de testosterona. Você nasceu onívoro. Viva como um – exceto por um detalhe…

ADICIONE DIM ÀS SUAS REFEIÇÕES. O Di-Indolil-Metano (ou DIM) é um composto encontrado em plantas do gênero Brassica – também chamados de vegetais crucíferos. Os principais representantes desta espécie incluem brócolis, couve-flor, couve de bruxelas, nabos, rabanetes, repolho, couve, mostarda e agrião.

O DIM atua sobre o metabolismo do estrógeno: ele tanto evita aumentos quanto decréscimos drásticos na produção deste hormônio. Em pequenas quantidades, inibe a ação da aromatase (aquela enzima que converte testosterona em estradiol, lembra?) e converte formas mais potentes de estrogênio em formas menos potentes, diminuindo os efeitos dos hormônios femininos sobre seu organismo.

Todavia, vale observar que a ingestão de grandes quantidades de DIM pode resultar em um efeito reverso, estimulando a ação da aromatase e aumentando a produção de estrógenos.

CONTROLE SEU ESTRESSE. Reduza aquelas longas horas de trabalho – dê um jeito de encaixar tudo em uma jornada de no máximo 10 horas. Encontre uma maneira de inserir em sua agenda 2h de atividades que não estão relacionadas ao trabalho ou à prática de exercícios físicos. Ler, meditar, assistir um filme, escrever, ouvir música ou tocar um instrumento são boas opções.

PRATIQUE TREINOS DE FORÇA E EXPLOSÃO. A testosterona se adapta às necessidades do seu corpo. Se você passar a maior parte do tempo deitado no sofá, seu cérebro entenderá a seguinte mensagem: não precisamos mais de todos aqueles músculos e ossos – e, como conseqüência, os níveis de testosterona caem. Por outro lado, quando você está fisicamente ativo, ele entende o oposto e dispara a produção do hormônio.

Pratique caminhadas puxadas de 10 a 20 minutos por dia. Faça barra, supino, flexões, agachamentos e abdominais com carga. Utilize pesos no limite de sua força, fazendo séries curtas e de alta intensidade.

Apenas um detalhe: o segredo está no bom senso. Exercite-se com regularidade, mas sem exageros. A prática de atividades físicas extenuantes pode produzir um estado de esgotamento que sabota a fabricação de andrógenos.

FAÇA SEXO! Os níveis de testosterona aumentam quando você está sexualmente ativo e diminuem quando você dá um tempo na alcova. Até o simples fato de ter uma ereção já é suficiente para aumentar seus níveis de testosterona.

DURMA. Transforme seu descanso em uma prioridade e durma 8 horas por noite, ainda que isso signifique mexer em toda a sua agenda. Como os níveis de testosterona em geral estão fisiologicamente aumentados no começo do dia, nada como unir o agradável ao útil logo cedo: depois de dormir uma boa noite de sono, acorde e faça sexo de novo.

REVISE SEUS MEDICAMENTOS. Alguns remédios podem derrubar seus níveis de testosterona. Se estiver utilizando alguma dessas medicações, converse a respeito com seu clínico geral de confiança:

  • Cimetidina
  • Espironolactona
  • Tranquilizantes
  • Metformina (bastante utilizada no tratamento do diabetes, pode reduzir os níveis de testosterona em 23% após 3 meses de uso).
  • Antidepressivos (p.ex.: fluoxetina, citalopram, duloxetina)
  • Antiinflamatórios (p.ex.: ibuprofeno e paracetamol)
  • Remédios para evitar queda de cabelo (p.ex.: finasterida e similares)
  • Anti-hipertensivos da classe dos beta-bloqueadores (p.ex.: propranolol, carvedilol, metoprolol, atenolol)
  • Corticóides (p.ex.: prednisona, prednisolona, corticóides presentes em medicações inaláveis utilizados para controlar asma e sintomas de enfisema pulmonar)
  • Analgésicos opioides (p.ex.: morfina, codeína)
  • Estatinas (medicamentos utilizados para reduzir os níveis de colesterol)
  • Antifúngicos (o cetoconazol é um poderoso inibidor da síntese de testosterona

ESQUEÇA AQUELES SUPLEMENTOS MILAGROSOS. Você certamente já esbarrou na internet com dezenas de sites oferecendo produtos naturais que prometem turbinar sua testosterona. Mas fique esparto: 99,9% deles (para não falar 100%…) são puro engodo.

Por exemplo: seu corpo produz um pré-hormônio chamado DHEA que é naturalmente convertido em testosterona, mas o uso de suplementos a base de DHEA não irá incrementar isso. Ao contrário do que os anúncios espetaculares que você viu propagandeavam com cores e fotos incríveis, suplementos de DHEA não produzem efeitos anabólicos ou ergogênicos em homens. Isto é o que dizem diversos estudos científicos sérios.

Os extratos de Tribulus terrestris, apesar de melhorarem um pouco a disfunção sexual e terem algum efeito no incremento do apetite sexual, não são capazes de aumentar os níveis de testosterona no seu organismo.

Esteróides anabolizantes como Metandrostenolona / Metandienona, Nandrolona, Boldenona, Estanozolol, Oximetolona, Oxandrolona,Fluoximesterona, Trembolona, Metenolona, Mesterolona, Mibolerona e Clostebol, apesar de produzirem ganho de força e massa muscular, também atuam inibindo o eixo HHT derrubando sua produção de testosterona por ano. Alguns usuários de esteroides anabolizantes nunca mais recuperam a capacidade de produzir naturalmente o hormônio.

Como a deficiência de zinco está associada à redução dos níveis de testosterona, algumas pessoas criaram a teoria que a suplementação de zinco poderia aumentar a produção do hormônio. Infelizmente, não é assim que as coisas funcionam: o uso de zinco suplementar como ferramenta para aumentar os níveis de testosterona só parece ter alguma eficácia em homens idosos que apresentam deficiência deste mineral.

Existem alguns estudos sugerindo que o uso de comprimidos de vitamina D poderia aumentar os níveis de testosterona, mas as evidências até aqui ainda são inconclusivas.

NO FRIGIR DOS OVOS

A deficiência de testosterona é um problema real e frequentemente sub-diagnosticado. Estima-se que quase 10% dos homens sofram desse transtorno, mas a maioria dos médicos ainda ignora essa epidemia e nutre um preconceito infundado com relação à terapia de reposição com testosterona. Como resultado, apenas 21% dos portadores de deficiência de testosterona recebem tratamento adequado.

Graças à maior disponibilidade de fármacos com eficácia comprovada, e à maior conscientização quanto à deficiência de androgênios, a terapia de reposição com testosterona vem ganhando terreno, mas ainda existem algumas ambiguidades quanto à sua indicação, critérios de segurança e monitorização do tratamento.

A TRT não deve ser utilizada caso você tenha tido ou esteja em tratamento para:

  • Câncer na mama (é raro, mas pode afetar a população masculina também).
  • Câncer na próstata.
  • Insuficiência cardíaca.
  • Insuficiência renal.
  • Problemas graves no fígado.
  • Apneia obstrutiva do sono.
  • Certas alterações sanguíneas (lembre-se: um Hematócrito acima de 54% é considerado uma contraindicação para TRT).

A reposição de testosterona pode causar infertilidade e não é uma boa opção para homens que ainda tenham intenção de ter filhos.

Mesmo que você não queira ou não possa utilizar a suplementação hormonal, certamente existem adaptações no seu estilo de vida que produzirão incrementos significativos nos seus níveis de testosterona.

Aplique as medidas naturais descritas e procure seu clínico de confiança – ele adicionará informações e lhe ajudará a descobrir exatamente quais orientações e qual configuração de tratamento melhor se adaptam ao seu caso.

Não se contente com a média: ouse ser incrível!

 


ESPECIAL TESTOSTERONA!

Confira todos os capítulos desta incrível série que ManhoodBrasil produziu especialmente para você:

 

Deixe uma resposta