ENCONTRANDO O PAR PERFEITO

0
434

Qualquer que seja sua opinião sobre “amor à primeira vista”, encontrar alguém e fazer uma relação funcionar nunca é uma tarefa fácil.

Incontáveis filmes, programas de televisão e livros românticos insistem em divulgar que o amor pleno e o sexo maravilhoso são fenômenos descomplicados – desde que você tenha encontrado seu par perfeito. Mas a realidade é bem diferente disso. Parte do problema reside nessas expectativas irrealistas promovidas pela mídia, que conduzem implacavelmente ao desapontamento quando a realidade é adicionada à equação.

O sucesso dos relacionamentos românticos depende de uma série de princípios e tendências pessoais – especificamente convicções de Destino e Progresso.

DESTINO E PROGRESSO

A Convicção de Destino se apoia na ideia de que uma pessoa nasceu para outra, de que toda panela tem sua tampa, e seu trabalho resume-se em encontrar essa tampa.

A Convicção de Progresso, por outro lado, reconhece que a outra pessoa na relação pode não ser perfeita, mas existe uma disposição para o que for necessário para desenvolver e fortalecer os laços com o tempo.

Ambas as convicções podem se alternar ao longo do relacionamento, mas, especialmente no começo, a convicção no Destino pode ser determinante para o sucesso ou insucesso. Como as dores do crescimento serão inevitáveis, a convicção do Destino pode levar à conclusão precipitada de que aquele relacionamento “não era para ser”, e o término se torna inevitável ao menor sinal de tempestade no horizonte.

Para medir as diferenças entre os dois tipos de convicção, pesquisadores da Universidade de Toronto desenvolveram um inventário psicométrico de 40 itens para pontuar crenças disfuncionais no relacionamento. Entre estes itens, constam as seguintes afirmações (a serem assinaladas como verdadeiro ou falso):

  1. O desentendimento é destrutivo em uma relação.
  2. O casal é capaz de conhecer os pensamentos e os sentimentos um do outro sem que seja necessário falar abertamente sobre eles.
  3. Ninguém pode mudar a si mesmo ou ao seu relacionamento.
  4. A perfeição sexual é mandatória: ou existe uma compatibilidade logo de cara ou ela jamais existirá.
  5. Manter a satisfação sexual requer empenho.
  6. Os gêneros diferem fundamentalmente em suas personalidades e necessidades.
  7. Até mesmo casais bem satisfeitos experimentarão dificuldades de tempos em tempos.

Curiosamente, a escala desenvolvida mostrou ser uma ferramenta extremamente acurada para predizer o desenlace da união, a estabilidade da relação e a compatibilidade entre os envolvidos.

E QUANTO AO SEXO?

Uma vez que a compatibilidade sexual é um componente de grande influência no longo prazo em qualquer romance, não surpreende que o sexo tenha um papel central em ambos modelos de convicções.

Entre os adeptos do Destino, o conceito de “química sexual” é considerado o aspecto inicial mais importante. Quando a química falha, surgem sérias dúvidas quanto ao potencial de êxito daquele investimento emocional. Em contrapartida, na turma do Progresso, existe um interesse em desenvolver a compatibilidade sexual – ainda que ela não seja perfeita a princípio.

Apesar das convicções de Destino e Progresso atuarem desde a fase de flerte e sedução, o modo como elas são aplicadas – especialmente nas tempestades – são determinantes para a evolução do convívio.

De um modo geral, a convicção de Progresso está associada a maiores índices de sobrevida e satisfação. As discussões são frequentes, mas as saídas são mais confiáveis e adequadas que aquelas encontradas por pessoas que sustentam uma convicção de Destino.

MUDANÇAS TEMPORAIS

Pessoas com fortes convicções de Progresso podem experimentar flutuações nos níveis de comprometimento e satisfação com o relacionamento. Em contrapartida, pessoas com fortes convicções de Destino, mesmo quando passam por discussões diárias, tendem a jamais questionar se fizeram a melhor escolha: elas simplesmente acreditam que sim e pronto.

A despeito do tipo de convicção predominante no casal, o relacionamento fatalmente chegará a um ponto crítico, quando será reavaliado e julgado. Por exemplo: no pós-parto. Mulheres com convicções de Destino tendem a passar por este período com grande inquietação e insatisfação, especialmente nos primeiros meses após o nascimento do bebê (algo que não ocorre com homens convictos do Destino), talvez decorrente das alterações hormonais desta fase. Exatamente o oposto ocorre com homens e mulheres com fortes convicções de Progresso: nos meses após o parto (e daí em diante), casais com esta configuração tendem a relatar aumento da satisfação com o sexo e o relacionamento em si.

Em resumo: pessoas com convicções de Destino são extremamente sensíveis quanto à compatibilidade sexual e apresentam menor tendência em se empenhar conscientemente para manter a relação em andamento. Os pesquisadores descobriram que, no geral, os homens tendem a sofrer mais convicções de Destino, enquanto que, entre as mulheres, as convicções de Progresso predominam.

A mídia vem influenciando profundamente as crenças que nutrimos sobre relacionamentos e satisfação sexual. Apesar da ideia do príncipe encantado, da alma gêmea e do amor à primeira vista ser encenada com uma frequência inacreditável nos filmes, na televisão e nos livros, a realidade é bem diferente disso, e esta incongruência vem produzindo uma manada de crianças-adultas frustradas com suas ligações amorosas.

Todos nós passeamos por este mercado de carnes, esse shopping de comparações, onde procuramos por alguém que seja feito sob medida para sua vida. Todavia, a decepção estará garantida enquanto não aceitarmos que a satisfação (com o relacionamento e com o sexo dentro dele) demandará tempo e esforço.

Sua vontade e sua capacidade de empenho – e não alguma fortuna do destino – são e sempre serão as verdadeiras determinantes do par perfeito.

Deixe uma resposta